Implicações da equiparação dos serviços de dedetização a serviços de limpeza

5 jun, 2019 | Gestão Tributária, Comentários | 0 Comentários

A equiparação das atividades de dedetização e imunização de pragas aos serviços limpeza, para fins de retenção previdenciária, é questão já pacificada há algum tempo, mas o cenário nem sempre foi assim.

Isto porque, com a edição da IN SRP 3/2005, os serviços de desinfecção, desentupimento e dedetização, que até então constavam expressamente no mesmo inciso que as atividades de limpeza, foram suprimidos do texto da referida norma, suscitando questionamentos quanto aos motivos que levaram a esta supressão.

Contudo, ao invés de solucionar as acirradas discussões que vinham sendo travadas sobre este assunto, a IN RFB 971/2009, quando publicada, manteve a mesma redação que havia na IN SRP 3/2005. Diante disso, a dedução que parecia mais lógica é que a supressão daqueles termos tinha como objetivo impedir a incidência da retenção previdenciária sobre tais serviços.

No entanto, muitos acreditavam que os serviços de imunização de pragas, de uma forma geral, estariam contemplados pela expressão “outros serviços destinados a manter a higiene” constante do final do inciso I do art. 117 da IN RFB 971/2009.

Esse ambiente de insegurança levou muitos contribuintes a questionarem a Receita Federal do Brasil, levando o órgão fiscalizador a consolidar o entendimento, a partir da Solução de Consulta Interna Cosit nº 13/2012, no sentido de que os serviços de dedetização e imunização de pragas estão enquadrados no art. 117, I, da IN 971/2009.

Mas, afinal de contas, quais são as principais repercussões práticas dessa decisão da RFB? Vejamos:

1) A primeira constatação que podemos fazer é a de que os tomadores de serviços devem proceder à retenção do INSS sempre que contratarem esta atividade. Isto porque, o art. 117 da IN RFB 971/2009 determina que os serviços ali listados estão sujeitos ao desconto na fonte quando prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada.

2) Além disso, as atividades de imunização de praga, por serem equiparadas a serviços de limpeza, estão enquadradas no Anexo IV da LC 123/2003. Diante disso, quando executadas por empresas optantes pelo Simples Nacional, estarão também sujeitas à retenção previdenciária. Isso porque, de acordo com o art. 191 da IN RFB 971/2009, as empresas do regime simplificado sofrerão o desconto na fonte do INSS quando prestarem serviços tributados pelo referido anexo.

3) Por fim, no que se refere à apuração da base de cálculo da retenção do INSS, de acordo com a redação do art. 122 da IN RFB nº 971/2009, nos casos em que houver previsão contratual de fornecimento de materiais sem a discriminação dos respectivos valores, desde que constem da nota fiscal, a base de cálculo mínima será de 80% (oitenta por cento). É, inclusive, o que prediz a Solução de Consulta Cosit nº 142/2019. Vejamos:

“Os valores de materiais ou de equipamentos, próprios ou de terceiros, exceto os equipamentos manuais, cujo fornecimento esteja previsto em contrato, sem a respectiva discriminação de valores, desde que discriminados na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços, não integram a base de cálculo da retenção, devendo o valor desta corresponder no mínimo a 80% (oitenta por cento) quando se referir a serviços de imunização e controle de pragas urbanas (limpeza e conservação), ainda que prestados em ambiente hospitalar.”

Desse modo, podemos afirmar que os serviços de dedetização, por estarem compreendidos no conceito de limpeza do art. 117, I, da IN RFB 971/2009, estão sujeitos à retenção previdenciária, ainda que prestados por empresa optante do Simples Nacional.

Caso você queira receber em seu e-mail conteúdos exclusivos em primeira mão publicados no Foco Tributáriotorne-se um seguidor do nosso blog. É totalmente gratuito!

Para receber os conteúdos diretamente em seu celular, solicite também a inclusão de seu telefone em nossa lista de transmissão do Whats App (+55 71 9 9385-2662).

Curso Gestão Tributária de Contratos e Convênios

Participe do Curso Gestão Tributária, o evento mais completo do mercado acerca da incidência do INSS, IRRF, CSLL, PIS/Pasep, Cofins e ISS na fonte. É o único com carga horária de 24 horas-aula distribuídas ao longo de três dias consecutivos.

Publicações recentes

criterios-adotados-ao-definir-o-preco-para-o-iss-devido-em-cada-municipio

Critérios adotados ao definir o preço para o ISS devido em cada município?

Diversas empresas e entidades públicas, que possuem filiais espalhadas em mais de um município, costumam (…)

principais-repercussoes-da-classificacao-obra-e-servico-de-construcao-civil

Principais repercussões da classificação OBRA e SERVIÇO de construção civil

A IN RFB 971/2009 (…) distinguiu o que deve ser considerado como OBRA e SERVIÇO de construção civil (…)

stf-define-que-a-contribuicao-patronal-sobre-salario-maternidade-e-inconstitucional

STF define que a contribuição patronal sobre salário-maternidade é inconstitucional!

No dia 04 de agosto de 2020, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou a inconstitucionalidade de dispositivos da (…)

subitens-com-nova-regra-quanto-ao-local-de-incidencia-do-iss-suspensa

Subitens com nova regra quanto ao local de incidência do ISS suspensa!

Desde que o Supremo Tribunal Federal concedeu liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5835 (…)

Arquivos

Posts relacionados

Seu comentário é bem-vindo!

Adicione seu comentário ou deixe sua pergunta.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *